Expansão marítima

A expansão marítima e comercial

Noções gerais:

Séc XI ao XIII – Renascimento comercial e urbano

Cruzadas

  • Expedições militares cristãs.
  • Pretexto: libertar à Terra Santa do domínio muçulmano.
  • Obetivo: Lucro através expansão das transações comerciais.
  • Expansão comercial -> enriquecimento da burguesia.
  • As rotas comerciais mediterranêas se tornaram monopólio das cidades italianas (aliados aos muçulmanos do Oriente).
  • Produtos comerciados: açúcar, seda, porcelana, artigos de luxo e especiarias.

Séc XIV e XV – Crise final da Idade Média

  • Conquista da Constantinopla pelos turcos otomanos -> eles cobravam taxas -> aumento do preço dos produtos orientais
  • Esgotameto das minas européias -> redução da possibilidade de cunhar moeda

Solução: Chegar as Índias (Extremo Oriente) por um caminho marítimo que evitasse o Mediterranêo. Financianos pela burguesia e pelo rei1.

Expansão Portuguesa:

  • Países ibéricos -> papel pioneiro na expansão marítima e comercial atlântica -> criação de condições socioeconômicas e políticas favoráveis (inicialmente em Portugal)
  • Desde a 3a Cruzada (Séc XII) -> cidades litoranêas portuguesas (principalmente, Lisboa) vinham servindo de ponto de escala à ligação marítimo entre comércio mediterranêo e norte europeu -> crescimento burguês.
  • Apoio burguês à Revolução do Mestre de Avis -> Fim da dinastia Borgonha e fundação da disnatia Avis (D. João I)

Dupla orientação: tinha que satisfazer a burguesia e a nobreza para obter apoio para prosseguir a guerra contra Castela.

1) Orientação mercantil -> atendendo interesse burguês

2) Orientação territorial -> atendendo interesses da nobreza feudal

  • Observação:

Disnatia Borgonha: formação do Estado Nacional português (isto é, se tornaram independentes do Reino Leão).

Disnatia Avis: empresa mercantil expansionista -> implantação de feitorias (entrepostos comerciais)

  • Essa dupla-orientação deu certo até a Guerra dos Cem Anos (França e Inglaterra disputavam Flandres), que afetou o comércio europeu.
  • 1487: Viagem de Bartolomeu Dias até Cabo da Boa Esperança -> abriu a rota do oceano Indíco.
  • 1498: Vasco da Gama -> chegou a Calicute (na Indía): importante centro comercial
  • 1500: Pedro Álvarez Cabral -> descobre do Brasil e vai à Calicute
  • Expedições de Afonso de Albuquerque -> criação Império Asiático-português

Declínio:

  • Um momento de supremacia comercial portuguesa… No entanto, “em meio a aparente prosperidade, a Nação empobrecia” -> empresa mercantil dispendiosa e ilusória (ex.: conquista de Ceuta -> peso econômico, muçulmanos dominavam as rotas transaarianas).

– Expansão do Império tricontinental português na Ásia, África e América -> aumento de número de funcionários civis e militares -> despesas para o Estado.

– Embarcações caras -> muitos naufrágios

– Emigrações -> falta de mão-de-obra -> Produção agrícola decaiu (desvios de capitais da agricultura para empreendimentos mercantis marítimos).

– Epidemias

– Crises de fome

– Necessidade de importar o que antes se consumia

– Coroa recorreu a elevação de impostos e empréstimos de banqueiros italianos e flamengos, que ficavam com a maior parte dos lucros.

– Gastos com obras dispendiosas e vantagens à aristocracia decadente em detrimento da burguesia

– Burguesia restrita: expulsão de judeus por D. Manuel I, emigração de cristãos-novos, implacabilidades da Inquisição e dependência da Coroa.

  • Império português asiáticos e africano estavam caindo para Holanda e Inglaterra

Expansão Espanhola

  • Foi o 2o pais em busca do caminho marítimo para as Índias, porém retardado pelos motivos:

– Prosseguimento da Reconquista -> luta pra expulsar os muçulmanos.

– Ausência de unidade política territorial -> reinos independentes envolvidos em constantes guerras (cA

– Política mediterranêa de Aragão -> vigorosa política marítimo-comercial mediterranêa

  • Formação do Estado Nacional espanhol -> fator para a formação de uma empresa ultramarina de ampla envergadura
  • Portugueses proibiram os espanhóis de costear a Áfricar (concorrência) -> foram obrigados a navegar pelo Ocidente para chegar ao Oriente (Índias)
  • 1492: primeira tentativa por Cristóvão Colombo -> descobrimento do continente americano (denomindo “Novo Mundo”) -> gerou problemas internacionais com Portugal -> Tratado de Tordesilhas (divisão das terras descobertas entre Portugal e Espanha)
  • 1513: descoberta do oceano pacífico por Vasco Nuñez de Balboa -> atravessou o Panamá
  • 1519-1522: Fernão de Magalhães costeu a América do Sul, atravessando o oceano pacífico e atingindo a Índia.
  • Obs: No final, para os espanhóis, chegar ao Extremo Oriente não era nada comparado ao Império que se conquistou na América.

Declínio:

  • Aconteceu, praticamente, da mesma forma que Portugal. Incluindo a pressão externa (Inglaterra, França e Holanda), emigração, gastos desnecessários com aumento de parasitários (funcionários, etc, que consumiam e não produziam), expulsão de judeus e cristão-novos, epidemia, guerras, país importando a maior parte do que consumia  etc.

Expansão inglesa e francesa

  • Também tentaram procurar novas rotas marinhas para o Extremo Oriente.
  • Inglaterra -> John Cabot e John Davis -> exploraram o litoral americano
  • França -> Giovanni Verrazzano e Jacques Cartier -> costearam a América do Norte
  • Ineficácia das rotas -> renunciaram as novas empresas exploradoras, concentrando em empreendimentos mais lucrativos -> pirataria
  • Ocorrem algumas tentativas de fixação ao continente americano, poucas deram certo
  • Os franceses e ingleses so conseguiram fazer uma expansão sistemática, mais tarde, no século XVII, pois superaram os problemas ligados a consolodiação do Estado Nacional.

Holanda

  • Hegemonia durante primeira metade do século XVII, e declínio na segunda metade do mesmo século (guerras desastrosas contra França e Inglaterra)

 

Efeitos da expansão nos séculos XV e XVI

Acelerou transformações no Mundo Europeu Ocidental. A partir de 1450, o comércio europeu conheceu extraordinária dinamização, envolvendo:

  • Distensão das rotas comerciais
  • Deslocamento do eixo econômico do Mediterrâneo para o Atlântico: o tráfico com o Extremo Oriente foi superado em volume, valor e variedade pelo comércio transatlântico.
  • Multiplicação do número de companhias de comércio (privilegiadas pelos governantes europeus)
  • Aperfeiçoamento de instituições financeiras (bancos e bolsas)
  • Cidades italianas perderam o monopólio comercial oriental
  • Valorização do capital comercial -> intensificação das atividades econômicas
  • Ritmo mais lento do aumento da produção e rápida cunhagem de moedas (maior disponibilidade de metais) -> Alta geral de preços
  • Burguesia fortalecida em detrimento da nobreza feudal e dos assalariados (sofriam crescentes dificuldades)
  • Transformação no setor de produção industrial e agrícola -> surgimento de manufaturas e expansão do cercamento dos campos e novos cultivos (batata, tomate, cacau e etc).
  • Controle da economia do Estado -> maiores recursos para as monarquias -> consolidação do absolutismo
  • Estimulação da formulação de teorias justificadoras do lucro e da acumulação de riquezas
  • Influências sobre o Renascimento -> novos temas literários, dados científicos e concepções artísticas

About thismaybeme

read the blog :P
This entry was posted in História. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s